sábado, 31 de outubro de 2015

Novos Projetos Poderiam Atrair R$ 171 bilhões em Investimentos Para o RN

A Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte (Fiern) propôs ontem ações setoriais e projetos estruturantes com capacidade para atrair R$ 171 bilhões em investimentos públicos e privados para o Estado, ao longo de 20 anos. Os projetos estão dentro do programa Mais RN, que teve novos números detalhados durante entrevista coletiva  do presidente da Federação, Amaro Sales. Ele foi reeleito para mais um mandato, de 2015 a 2019, e deverá ser reempossado nesta sexta-feira.

Produção de feldspato: A criação de um polo de mineração seria um dos projetos prioritáriosProdução de feldspato: A criação de um polo de mineração seria um dos projetos prioritários
 
Sales defendeu a construção de uma política industrial para o Rio Grande do Norte articulada pelo setor produtivo junto ao Governo do Estado, a partir das metas propostas pelo Mais RN. A segunda fase do programa será lançada nesta sexta-feira durante a solenidade de posse. Um pacto pelo planejamento estratégico de desenvolvimento do Estado e política industrial são o foco dos próximos quatro anos de gestão.

“Em meio à recessão econômica é preciso pensar no futuro, dar as mãos e projetar o que queremos e como chegaremos lá, dentro de uma política industrial. E esta é a contribuição do Sistema Fiern”, afirma Amaro Sales.

Serão apresentados nesta nova fase do Mais RN dois projetos âncoras prioritários: um para a criação de um pólo de mineração, a partir dos recursos existentes no Estado, e o segundo para a estruturação de logística de transporte pelo modal ferroviário para escoar a produção; além de dez planos de ações por setor da economia.

“Precisamos explorar esse potencial, criar um polo para explorar os minérios e alavancar a economia. Mas para isso precisamos de infraestrutura de escoamento de produção e o Mais RN traz metas e projetos de como fazer isso”, afirma Sales, destacando a necessidade de um pacto entre o setor empresarial, poder executivo e instituições de ensino e pesquisa.

Os planos de ações apontam desde os gargalos a estimativas de investimento necessário, de potencial de exploração e de resultados em setores estratégicos da economia potiguar que podem subsidiar decisões de investidores e do Estado.

As propostas contemplam os setores de geração de energia, a cadeia da mineração, fruticultura, além de desenvolver os setores portuário, pecuária, pesca e aquicultura, facções e confecções, o turismo, serviços avançados e parques tecnológicos.

0 comentários:

Postar um comentário

OS COMENTÁRIOS SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

REGRAS PARA FAZER COMENTÁRIOS:
Se registrar e ser membro do Blog; Se identificar (não ser anônimo); Respeitar o outro; Não Conter insultos, agressões, ofensas e baixarias; A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica; Buscar através do seu comentário melhorias para nossa cidade.

A BOCA FALA AQUILO QUE O CORAÇÃO ESTÁ CHEIO. E O NOSSO ESTÁ CHEIO DE AMOR! JUNTOS SOMOS MAIS.