Canguaretama: FRENTISTA CANGUARETAMENSE QUE SE TORNOU MILIONÁRIO!! UM EXEMPLO




Empresário Marcelo Alecrim é perfilado em reportagem da Folha de S.Paulo. Ele acabou de negociar a venda da Ale por R$ 2,17 bilhões.

A trajetória do empresário Marcelo Alecrim é destaque na Folha de S.Paulo desta quarta-feira. O empresário acabou de negociar a rede de postos de combustíveis da qual era proprietário, a Ale, aos postos Ipiranga, do grupo Ultra. A negociação é de R$ 2,17 bilhões.
Alecrim começou a trabalhar com o pai aos 19. Iniciou a carreira trabalhando “de frentista a garçom” no posto de gasolina do pai, em Canguaretama. Dez anos depois, trocou o carro da mãe pela parcela de entrada de um caminhão-tanque para o transporte de combustíveis.

A troca foi o primeiro passo na criação da distribuidora potiguar Sat, que em 2006 viria a se fundir com a mineira Ale, a quarta maior distribuidora de combustíveis do país, cortejada durante anos por praticamente todas as grandes do setor.

Nos últimos anos, foi a única voz contrária às diversas propostas que a empresa recebeu, da francesa Total à norte-americana Bunge.
Ao contrário, azedou as relações com os sócios ao defender, em 2008, a compra da rede de postos da espanhola Repsol –considerada ruim pelo mercado– apenas nove meses depois de ter perdido disputa com a Cosan pela rede da Esso.

Foi justamente num posto Esso que Alecrim iniciou a carreira. Ele assumiu a administração do posto em Canguaretama (67 km de Natal), quando o pai teve que se ausentar por problemas de saúde.
Diz que, ali, entendeu que o transporte do combustível poderia agregar valor. “As grandes distribuidoras davam pouca atenção aos pequenos postos do interior.”

Expandiu a frota de caminhões e, ao criar a distribuidora, em 1996, convidou para sua equipe os profissionais da Esso e de fornecedores com quem lidava do outro lado do balcão.
É considerado por colegas uma pessoa “de relacionamentos”, que construiu imagem de credibilidade com o esforço em dar atenção especial a clientes e fornecedores.

Alecrim não diz com quanto dinheiro ficará após a conclusão da venda, que depende ainda de aval dos órgãos de defesa da concorrência.
Do valor anunciado, R$ 2,17 bilhões, será deduzida a dívida da companhia, de R$ 737 milhões.

Ele diz que seu foco, agora, é preparar a transferência dos ativos: pelo acordo com o Ultra, permanecerá na empresa por um ano após a conclusão do negócio.