domingo, 5 de fevereiro de 2017

O QUE SE CONCLUI DO ÓDIO À DONA MARISA LETÍCIA?

O QUE SE CONCLUI DO ÓDIO À DONA MARISA LETÍCIA?

Bastou a doença de Dona Marisa Letícia,  para que as áreas de comentários dessa notícia em veículos de comunicação fossem invadidas por enxames de semoventes destilando ódio e desejando dor a ela e, principalmente, a ele através do sofrimento dela.

De igual virulência, porém em menor quantidade, o mesmo show de horrores aconteceu quando Thomaz, filho do governador Geraldo Alckmin, morreu em um acidente de helicóptero em abril de 2015. Naquela época, muitos foram os idiotas que chamaram isso de “justiça divina”.

Temos um déficit de formação para a empatia, para reconhecer no outro alguém que tem os mesmos direitos e sentimentos que nós. Mas o déficit ocorre também para a cultura política do debate – infelizmente, não somos educados, desde cedo, para saber ouvir, falar, respeitar a diferença e, a partir daí, construir consensos ou saber lidar com o dissenso. Não somos treinados para a tolerância. Não somos educados para a noção de limites.

Quando questionados, os semoventes carniceiros vociferam palavras de vingança, mostrando que desconhecem qualquer noção de Justiça. Pelo contrário: acreditam que o vazio de sentido da vida que ostentam dentro do peito pela incompreensão da realidade que os cerca será preenchido apenas quando sangue de linchamento escorrer em praça pública. Como se isso reequilibrasse o universo.

Ao mesmo tempo que o aumento do acesso à internet nos levou a descobrir que nem todo mundo pensa como nós, as bolhas das redes sociais trouxeram a falsa sensação de que a maioria das pessoas pensa igual a nós. E, a partir daí, muitos se reconheceram em sua ignorância e se, orgulhosos disso, juntaram-se em matilhas. Enquanto isso, outros se especializaram em controlar essas matilhas e produzir ataques.

Daí, muita gente entrou em estado de guerra contínua e deflagrada. Guerra contra outras pessoas que não concordem com as suas versões da realidade, tida por eles como verdades absolutas.

Estamos chegando ao fundo do poço? Claro que não. Até porque, lá no fundo, tem um alçapão.

Há aqueles que se utilizam da justificativa política ou econômica para poder extravasar seu ódio e seu desejo por vísceras e demonstrar toda sua incapacidade de sentir essa empatia pelo semelhante. E há aqueles que não conseguem ser contestados e, incapazes de admitir ignorância sobre algo, usam a agressividade como saída.

Fazem isso vomitando argumentos de botequim sobre política e economia, mas poderiam fazer o mesmo – ou realmente fazem – em nome de seu time de futebol, de sua religião, de sua cor de pele, de sua orientação sexual, de sua identidade de gênero, de sua origem social – ou de qualquer razão irracional.

As pessoas acham que a democracia é algo forte. Na verdade, é tão frágil quanto uma folha de papel em branco.

*por Leonardo Sakamoto*

0 comentários:

Postar um comentário

OS COMENTÁRIOS SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO AUTOR.

REGRAS PARA FAZER COMENTÁRIOS:
Se registrar e ser membro do Blog; Se identificar (não ser anônimo); Respeitar o outro; Não Conter insultos, agressões, ofensas e baixarias; A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica; Buscar através do seu comentário melhorias para nossa cidade.

A BOCA FALA AQUILO QUE O CORAÇÃO ESTÁ CHEIO. E O NOSSO ESTÁ CHEIO DE AMOR! JUNTOS SOMOS MAIS.