Em kombi, Jovens Viajam o Brasil para Divulgar a Agroecologia. Desembarcaram Agora no RN

  Desde dezembro, a kombi do projeto viajou mais de 20 mil quilômetros pelo Nordeste brasileiro (Foto: Ivanúcia Lopes/ Inter TV Cabugi)  
Duas jovens mineiras, uma ideia ousada e uma kombi para rodar o Brasil. Desde 2016, Marília Cucolichio e Isabela Ladeira começaram a se aventurar pelas estradas do Nordeste com o projeto Caravana Cultural Agroecologica Kombosa me Carrega, que tem o objetivo de conhecer outros grupos que discutem agroecologia pelo país. Além de participação em eventos científicos, as jovens visitam comunidades de agricultura familiar e defendem a urgência da utilização de uma agricultura mais alinhada à preservação com o meio ambiente. 
 
Na jornada desde dezembro, mais de 20 mil quilômetros foram percorridos pela dupla, em mais de 40 experiências com agroecologia. A viagem começou pelo extremo Sul da Bahia, passando por Sergipe, Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. Na região Oeste potiguar, as jovens desembarcaram em Mossoró. 

"A ideia da kombi surgiu porque a gente queria uma casa que fosse móvel e pudesse ter essa autonomia para caminhar Brasil afora. A kombi é viável por ser mais econômica e, mais que um trailer, é acessível e popular", conta Marília, que é engenheira ambiental. Isabela é agrônoma. 

O projeto nasceu dentro da Rede de Grupos de Agroecologia - o Rega. As jovens fizeram um financiamento colaborativo para transformar o carro e percorrer o país por um ano. Passados oito meses desde o início do projeto, elas pensam em passar mais um ano na estrada, para poder passar por todas as regiões do país. 

A agrônoma Isabela Ladeira (esquerda) e a engenheira Marília Cucolichio (direita) viajam pelo país para discutir a agroecologia (Foto: Ivanúcia Lopes/ Inter TV Cabugi) A agrônoma Isabela Ladeira (esquerda) e a engenheira Marília Cucolichio (direita) viajam pelo país para discutir a agroecologia (Foto: Ivanúcia Lopes/ Inter TV Cabugi) 
 
Em Mossoró, as jovens trocaram experiências com o Grupo Verde - da Universidade Federal do Semiárido (Ufersa) - que existe há 30 anos. "Eu acho que é muito importante para a gente somar experiências. Quando vem pessoas novas, é um momento para dialogar como está sendo o trajeto da agroecologia", diz Yara Leite, que é membro do grupo. 

"Tentamos programar atividades para que, quando elas estivessem aqui pudessem aprofeitar as esperiências concretas que vêm vivenciando pelo Brasil", salienta André Passos, outro membro do grupo mossoroense.

Comentários