Governador do RN se Articula Para Ter Mais de 10 Partidos no seu Palanque em 2018

  Governador Robinson Faria faz contas políticas para tentar viabilizar reeleição
 
Pelo menos 13 partidos abriram negociação com o governador, entre eles PRB e PTB que já receberam cargos na máquina administrativa. Robinson Faria também deseja ter o apoio da prefeita de Mossoró, segundo maior colégio eleitoral do Estado, e do PSDB 

“Tenho até o final de junho e início de julho para decidir.” A resposta dada com frequência pelo governador Robinson Faria (PSD) sobre a sua candidatura à reeleição não se sustenta na articulação que ele está conduzindo nos bastidores da política e da sucessão estadual. Robinson tem se dedicado diariamente à formação de um frente de partido e de uma base política capaz de sustentar o seu palanque nas eleições deste ano.

A prova disso está na caneta do próprio governador, que tem sido usada em atos de nomeação de indicados por novos aliados. O Diário Oficial do Estado desta quinta-feira, 3, por exemplo, publicou a nomeação do advogado Renato de Souza Cavalcanti Marinho para o cargo de secretário do Desenvolvimento Econômico. Em troca, Robinson receberá o apoio do PTB, que é presidido no estado por Getúlio Batista. Foi o líder petebista que indicou Renato para assumir o comando do Desenvolvimento Econômico, pasta que era ocupada pelo empresário Flávio Azevedo.

O PTB ainda indicará oito cargos na estrutura do Estado, todos já devidamente reservados pelo governador. Getúlio Batista, que era um aliado dos Alves, inclusive, chegou à presidência do partido por indicação do deputado federal Walter Alves, não assume as tratativas feitas com o governador e apenas diz que o PTB se posicionará na hora certa.

Antes, Robinson havia entregado o controle da Ceasa ao PRB, depois de negociar o apoio da sigla com o suplente de deputado federal Abraão Lincoln. Também cuidou de atender novos aliados em cidades importantes, onde a sua presença política é tímida. Na semana passada, em Mossoró, o governador trocou os ocupantes de cargos na área da saúde. 

No Hemocentro, Robinson tirou o bioquímico Samuel Sávio de Oliveira da chefia do Departamento de Hematologia para colocar o bacharel em Direito Dener Kallil, um jovem de pouco ou quase nenhum conhecimento na área, mas que foi indicado pelo pai, ex-vereador Daniel Gomes, agora na base de apoio do governador.






#Fonte: Jornal Defato